Terça-feira, 8 de Setembro de 2020
o leitor (im)penitente 219

images.jpeg

Unknown.jpeg

Vicente!

mcr, 8 de Setembro de 2020

Ele era uma das caras possíveis, luminosas, apaixonadas, do Jornalismo. Era, digamo-lo sem receio, a honra do jornalismo português. Honra partilhada, evidentemente, basta recordar o Fernando Assis Pacheco, outro morto iluminado e iluminante, e muitos outros, não demasiados, convenhamos que isto é território de índios e cow-boys.

Conheci o Vicente, quando lá pelos inícios de setenta mandei uns textozinhos ao jornal cor de rosa que ele dirigia das lonjuras da Madeira. Eu, desde que “O Comércio do Funchal” começou a ser notado pela coragem, pela irreverência, pela alegria, tornei-me assinante e, não resisti a propor os meus fracos serviços. Tudo começou por um artiguinho sobre o facto de jogadores de futebol conseguirem dar-se bem mesmo sendo de clubes diferentes. Uns indignados resolveram criticar o facto. Queriam sangue e não jantaradas de amigos, uma vez acabado o jogo. Meti-me ao barulho, não resisto a causas perdidas, e lá verti algum sarcasmo e alguma paulada no lombo dos adeptos irascíveis. A coisa saiu e eu fiquei naturalmente contente. E reincidi, reincidi e reincidi. Entretanto a censura entrou em campo e recortava-me a prosa com violência. Da redacção vinha de quando em quando uma palavra amável, estilo “ainda não foi desta mas não desistas”. Claro que eu não desistia, era o que faltava.

Razões de vária ordem fazem com que pouco ou nada reste dessa minha colaboração. A censura e a minha pouca diligência, para não falar num malfadado incêndio onde perdi algumas pastas de prosa e, pior, várias gravuras e serigrafias, uma de Picasso incluída, deixam a posteridade desarmada quanto ao meu génio jornalístico. Paciência...

O 25 A veio, a vida mudou, o Comércio do Funchal também e lá nos perdemos de vista. Por pouco tempo, pois o Vicente, deixou a ilha e instalou-se em “cuba” (cfr o Alberto João Jardim da época, na altura transformado em ferrabrás insular). E começou a época do Expresso que, na altura ainda era recente mas já excelente. E melhorou com o Vicente (estão a topar a rima?)

E o Vicente lá estava, claro. A mesma escrita ágil, o mesmo raciocínio amplo, a mesma ou mais e melhor cultura ao serviço da causa da informação que continuava a ser um território de fronteira onde apareciam umas criaturas, ao serviço do “povo” (um povo inexistente e inventado mas útil para combater a “reacção” sempre multiforme e com mais cabeças do que a hidra) que tentavam acabar com qualquer jornal que não estivesse conforme à verdade a que alguns tinham direito.

Alguns anos depois, a aventura do “Público”, jornal que fiz meu desde o dia primeiro e inaugural. E o Vicente ao leme, com uma equipa de malta nova e entusiasta.

Entretanto, numas férias no Carvoeiro, voltei a encontra-lo graças ao José Luís Nunes que já por cá não anda (e que falta faz!!!) e ao Luís Matias, amigo certo de Lisboa e de Paris.

Foi uma festa.

Não sei se foi ele quem me indicou para cronista regular do Público, operação que se gorou devido a dificuldades financeiras do jornal. Digo isto porque o Vicente era uma das poucas pessoas que me conhecia a prosa desatada e que, melhor ainda, a apreciava. Se não foi peço desculpas a quem se lembrou de mim.

A vida dá voltas e voltinhas, o Vicente parecia um farol, aparecia e desaparecia mas ,como o farol, sempre a indicar a direcção certa, a rota cabal e aventureira. E a dizer as verdades incómodas que fizeram ranger os dentes a muitos políticos, mesmo os que lhe eram próximos.

Nos últimos tempos ia-o lendo no Público, nem sempre concordando mas seguro de uma coisa: o Vicente só escrevia o que acreditava e não fazia fretes.Por isso lia-o com gosto, com avidez e com, como dizê-lo agora?, com antecipadas saudades. 

Agora, hoje, tropeçou na mesquinha. Ora porra!

Quando lá chegares dá um abraço ao Assis e a mais um par de amigos com que partilhei angustias, alegrias, esperanças e muito mais.

Os anos sessenta vão-se diluindo mansa mas inexoravelmente. É a lei da vida, melhor, da morte. Não há volta a dar-lhe.

Adeus, Vicente!



publicado por d'oliveira às 18:03
link do post | comentar | favorito

mais sobre mim
pesquisar
 
Novembro 2022
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
14
15
16
17
18
19

20
21
23
24
25
26

27
28
29
30


posts recentes

o leitor (im)penitente 21...

arquivos

Novembro 2022

Setembro 2022

Dezembro 2021

Setembro 2020

Outubro 2015

Maio 2014

Janeiro 2012

Março 2009

tags

todas as tags

favoritos

Au bonheur des dames 587

blogs SAPO
subscrever feeds
Em destaque no SAPO Blogs
pub